A correria das mulheres no funk paulista

As mulheres fizeram e fazem história no funk brasileiro. Versos como “Late que eu tô passando”, de Valesca Popuzada, “Sadomasoquista”, da Deize Tigrona, “Boladona na esquina”, da Tati Quebra Barraco, ou a mais recente “Nós tem um charme que é dahora”, da MC Drika, são símbolos da popularização do gênero pelas vozes femininas. “Elas contribuem … Continue lendo A correria das mulheres no funk paulista