APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Ponto a Ponto

A plataforma ‘fantasma’ de Osasco

Image

Por Paulo Talarico | 27.09.2016

Publicado em 27.09.2016 | 16:08 | Alterado em 08.06.2018 | 15:27

Tempo de leitura: 2 min(s)

Obra em estação inaugurada na campanha eleitoral de 2012 segue com complemento abandonado

Plataforma abandonada em estação de trens de Osasco — Foto: Paulo Talarico/Agência Mural

Há quatro anos, um evento com pompa movimentou a estação de Osasco, no centro da cidade da Grande São Paulo. Com a presença do governador Geraldo Alckmin e de políticos que disputariam a prefeitura naquele ano, a estação recebia a primeira escada rolante da história entre outras estruturas da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) no município.

Também foram entregues novos trens e inaugurada uma passarela que ligaria o centro à zona norte da cidade, trajeto que antes era feito por túneis perigosos e desgastados que assustavam no período da noite e quando chovia. Mas, em meio a festa, o corte da fita de inauguração e os selfies (que ainda não tinham esse nome) com o governador, algo ficou de lado, e não era algo assim pequeno. Era só uma plataforma.

Sim. Terminada a fanfarra, os moradores ficaram contentes com a escada e o acesso para deficientes, porém, quem anda pela estrutura até hoje vê do outro lado do trilho uma obra paralisada, com as estruturas construídas sem cobertura e com peças de concreto largadas ao lado.

CPTM afirma que obras na estação foram interrompidas por disputa judicial — Fotos: Paulo Talarico/Agência Mural

Alguns imaginaram que dali surgiria mais uma linha de trem, além das duas que atendem hoje a cidade [Linha 8 Diamante — trajeto Itapevi/Julio Prestes e Linha 9 Esmeralda — Osasco/Grajaú, na zona sul da capital]. O problema é que, com os terrenos em volta, não seria possível criar um trilho adicional que saísse da estação.

Em 2013, a CPTM explicou que o objetivo de mais uma plataforma visava atender melhor a demanda de usuários. Mesmo assim, o que era para aprimorar esse atendimento, ficou paralisado. Outros aspectos da reforma também empacaram. As plataformas têm fios soltos com uma aura de improviso.

A Companhia afirma que as obras de ampliação foram interrompidas em decorrência de uma disputa judicial entre a CPTM e a empresa contratada. Diz ainda que em junho os impedimentos legais para a rescisão do contrato foram afastados e que começará a desenvolver os processos necessários para uma nova licitação, para conclusão da obra.

Estruturas abandonadas deixam dúvidas como: seriam para uma nova linha? — Foto: Paulo Talarico/Agência Mural

Com isso, a ‘inauguração’ de 2012 era apenas uma parte da obra que, hoje, não tem prazo para terminar. “Na primeira fase da obra, que compreendeu construção de aproximadamente 8.000m² de área, foram implantados dois novos acessos, instalados elevadores, novas escadas rolantes e bicicletário, além da reurbanização do entorno da estação”, cita a CPTM.

Nem o período eleitoral deste ano retomou o empenho de concluir o trabalho. Será que fica para daqui mais quatro anos?

Paulo Talarico é correspondente do Osasco
[email protected]

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.