APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Cleberson Santos

Notícia

Publicado em 17.11.2022 | 15:52 | Alterado em 23.11.2022 | 11:49

Tempo de leitura: 6 min(s)

Na Vila Nova Esperança, uma horta cultivada pelos moradores produz pés de espinafre, couve, hortelã e ora pro nobis, que servem de alimento para quem vive por ali. Apelidada de ‘Favela Verde’, habitantes do local também buscaram formas de descartar o lixo, já que não recebiam o serviço de coleta.No entanto, esse histórico de mais de uma década de iniciativas de preservação pode ter um fim.

Apesar de ser uma comunidade reconhecida pelas iniciativas sustentáveis, a vila localizada no distrito do Butantã, na zona oeste de São Paulo, corre o risco de ser desocupada justamente por uma acusação de degradação ambiental. A área pertencia à CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo), empresa estatal que reivindica o terreno onde está a comunidade.

A Vila Nova Esperança fica ao lado do Parque Estadual Jequitibá, uma área verde de 1,3 milhão de metros quadrados entre a capital e as cidades de Cotia e Osasco, na Grande São Paulo.

Em agosto, a CDHU realizou o cadastramento das 870 famílias que vivem no espaço, visando o início das conversas para transferências. Este é um novo capítulo de uma disputa que já conta com quase 20 anos de luta popular.

Vila Nova Esperança tem 870 famílias @Cleberson Santos/Agência Mural

A líder comunitária Maria de Lourdes Andrade de Souza, 59, acompanha essa história desde a mudança dela para o bairro, em 2003. Ela, junto com os moradores, já enfrentou tentativas de despejo e encontrou a educação ambiental como uma forma de provar que não havia degradação por parte da comunidade.

“Nós não estamos querendo degradar, a gente está aqui porque precisa morar”

Maria de Lourdes, 59, líder comunitária da Nova Esperança

O Ministério Público entende que o espaço onde fica a comunidade também pertence ao parque e exige que seja reintegrada à área verde. “Sempre falava para o promotor que não precisa tirar as pessoas do lugar para poder fazer sustentabilidade, basta ensiná-los a conviver com a natureza, mas ele nunca me deu ouvidos. Foi quando comecei a criar ideias”, conta ela, que é conhecida como Lia.

No último dia 10, houve uma audiência pública na Câmara Municipal de São Paulo, convocada pela Comissão de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente, com o objetivo de debater a permanência dos moradores na Vila Nova Esperança.

A sessão foi presidida pelo vereador Donato (PT), que defende que a proposta oferecida pela CDHU é inviável para as famílias da comunidade:

“Uma pessoa com R$ 2.500 de renda familiar vai ter R$ 500 de compromisso com a prestação, mais R$ 300 ou R$ 400 de condomínio porque é um prédio, mais água, mais luz, e ela não vai conseguir pagar. O resultado, em geral, é que ela vende [o imóvel] por qualquer preço e volta para uma área pior”.

Representante da comunidade, Lia ressaltou as iniciativas feitas pela associação e o instituto nos últimos anos. “O nosso sonho é transformar a Vila Nova Esperança em uma vila ecológica. Plantamos 500 mudas de plantas. Estamos cheios de [árvores de] Ipê dentro da Vila Nova Esperança.”

Lia lidera projetos ambientais na comunidade e defende permanência das famílias @Cleberson Santos/Agência Mural

Procurada pela Agência Mural, a CDHU informou em nota que “tem mantido contato com os moradores e realizou reuniões apresentando as propostas para cumprir a determinação judicial e, ao mesmo tempo, garantir o acesso à moradia para as famílias que vivem no local”.

“A proposta foi apresentada em reuniões realizadas na sede da empresa com ampla participação e adesão dos moradores”.

No site da CDHU há um comunicado publicado no último dia 31 de outubro detalhando que a Companhia está sendo obrigada pela Promotoria de Justiça do Meio Ambiente a “desocupar a área da Vila Nova Esperança, promover o reflorestamento do local e transferir a área para a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, para que passe a integrar o Parque Jequitibá”.

Lia teme o futuro do espaço com a saída dos moradores e questiona se realmente haverá essa revitalização. “Segundo eles [a CDHU], esse espaço vai ser revitalizado, reflorestado. Mas não acredito. Todas essas moradias feitas de tijolos. Derrubar tudo isso, a montanha de ferro, de cimento. Eles dizem que vão reflorestar. Eu não acredito”.

Plantação na horta da Vila Nova Esperança. Moradores conseguem alimentos do local @Cleberson Santos/Agência Mural

Produzindo a própria comida

A destruição das casas terá impacto em ações realizadas pelos moradores há quase dez anos. Uma das primeiras iniciativas foi criar um abrigo para o lixo, tendo em vista que a comunidade não tinha acesso ao serviço de coleta. “Não ter dinheiro não é errado, o errado é viver na sujeira. Fizemos mutirão para limpar a comunidade, pegando o lixo, colocando no seu espaço”, relembra Lia.

Em 2013, veio a iniciativa que fez a Vila Nova Esperança começar a ser vista como uma “favela verde”: a horta comunitária. Hoje, quase 10 anos depois, a horta ocupa um espaço de pouco mais de 5 mil metros quadrados – tamanho de um campo de futebol.

No dia da visita feita pela reportagem da Agência Mural à comunidade, além das plantas e legumes havia até um teiú, tradicional réptil brasileiro circulando pela plantação.

Os alimentos colhidos na horta são vendidos dentro da própria comunidade, com o mesmo preço praticado pelos supermercados, mas sem a agressão dos agrotóxicos por serem orgânicos. Quem participa do plantio e do cuidado da horta tem o direito de levar alimento para casa de forma gratuita.

“A gente começou a ver que a horta não trazia só educação ambiental, mas também segurança alimentar e empreendedorismo para dentro da comunidade”

Além do abrigo e da horta comunitária, a Vila Nova Esperança conta com uma cozinha coletiva, uma cisterna para coleta de água da chuva, uma fossa ecológica, um pesqueiro e um centro de inovação com ferramentas disponíveis para os moradores poderem desenvolver projetos.

Todo esse trabalho atraiu visitas de estudantes, jornalistas de diversos países e até reconhecimento público. Em 2014, Lia recebeu o Prêmio Milton Santos, promovido pela Câmara Municipal de São Paulo, na categoria “Consolidação de Direitos Territoriais e Culturais”.

Vista da região da Vila Nova Esperança. Moradores podem ser realojados em moradias de outras cidades @Cleberson Santos/Agência Mural

A comunidade contava também com uma biblioteca e brinquedoteca, que foram umas das primeiras iniciativas após a horta, onde hoje é a sede do Instituto Lia Esperança. O espaço para as crianças precisou ser desativado por conta da remoção de uma árvore atingida por um raio.

O Instituto Lia Esperança, que une o apelido de Maria de Lourdes com o nome do bairro, foi a forma encontrada por ela de ampliar a atuação e poder levar conhecimento, experiência e até doações para outras regiões.

“Tinha muita gente querendo aprender esse trabalho que faço e com o Instituto poderia buscar ajuda não só a Vila Nova Esperança, mas outras comunidades”, conta Lia.

Lia, que foi candidata à vereadora na última eleição municipal, também é presidente da associação de moradores da Vila Nova Esperança até o fim do ano.

Este segundo cargo, que a líder comunitária ocupa há dez anos, não deve continuar com ela. Lia entende que este pode ser um momento de ceder à pressão da CDHU e aceitar a proposta que for feita pela empresa.

“Fico [triste] pela comunidade, pelas pessoas que não tem condições de pagar e por tudo que foi lutado até agora. Mas vejo também por outro lado, que todos que estão juntos deveriam ter o mesmo sentimento e lutar junto.”

Trabalho no bairro foi reconhecido como iniciativa sustentável @Cleberson Santos/Agência Mural

Mudança

Segundo a CDHU, as famílias da Vila Nova Esperança permanecerão em suas residências até a entrega dos três empreendimentos oferecidos, o Reserva Raposo, o Taboão D e o Cotia XXXV. O prazo de entrega é de 18 a 24 meses.

No dia em que Agência Mural visitou a comunidade, uma van cedida pela CDHU estava levando alguns moradores para conhecer o terreno do futuro empreendimento em Cotia. Lia conta que já visitou o do Taboão e que não gostou do que foi oferecido.

“Vai ficar ruim para as pessoas, aqui tem tudo perto, lá não. Foi quando sugeri por que não levar para o Reserva Raposo? Fui em quem deu essa ideia”, ressalta a líder comunitária.

O Reserva Raposo é um empreendimento às margens da Rodovia Raposo Tavares que se apresenta como “bairro planejado”.

Os moradores da Vila Nova Esperança assinaram há alguns anos o interesse para cotas de baixa renda na época do projeto Minha Casa Minha Vida.

Esta reportagem foi produzida com apoio da Report For The World

receba o melhor da mural no seu e-mail

Cleberson Santos

Correspondente do Capão Redondo desde 2019. Do jornalismo esportivo, apesar de não saber chutar uma bola. Ama playlists aleatórias e tenta ser nerd, apesar das visitas aos streamings e livros estarem cada vez mais raras. Em novembro de 2022, passou a fazer parte da Report For The World, programa desenvolvido pela The GroundTruth Project.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.