APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
No Corre

Em briga com governo de SP, Osasco e Carapicuíba questionam Plano SP

Plano São Paulo vira alvo de briga judicial entre prefeitos e Osasco consegue liminar; governo do estado diz que tem dialogado

Image

Por: Paulo Talarico | Lucas Veloso

Notícia

Publicado em 11.08.2020 | 18:48 | Alterado em 11.08.2020 | 18:54

Tempo de leitura: 2 min(s)

A decisão de ampliar as proibições para comércios na região oeste da Grande São Paulo ainda causa dúvidas.

Cada uma das cidades adotou uma postura para a decisão do governo do estado que voltou a restringir a abertura de bares, salões e academias nas cidades de Osasco, Carapicuíba, Barueri, Itapevi, Jandira, Santana de Parnaíba e Pirapora do Bom Jesus.

Prefeitos questionam a decisão de passar a região para a fase laranja do Plano São Paulo (de flexibilização da quarentena), enquanto o estado diz que a medida é necessária pelo aumento de casos de Covid-19. Enquanto a briga nos gabinetes segue, poucas mudanças foram vistas nos comércios da região.

Nesta segunda-feira (10), a prefeitura de Osasco conseguiu uma liminar para manter a cidade na fase amarela. O juiz Olavo Sá Pereira da Silva, da 2ª Vara da Fazenda Pública da cidade, entendeu que o município atende aos critérios do plano. “O relatório municipal aponta que a capacidade de atendimento hospitalar não regrediu e isso significa que não deveria haver regressão”, afirmou.

O prefeito Rogério Lins (Podemos) disse que a cidade está com leitos e respiradores disponíveis e tem seguido os critérios epidemiológicos. “Não é uma notícia para ser comemorada ou dizer que está tudo bem. Precisamos tomar muito cuidado e ter muita responsabilidade com a sua vida e dos seus semelhantes”

Image

Calçadão movimentado lembra os dias antes da pandemia em Osasco @Paulo Talarico/Agência Mural

Procurado, o governo do estado ainda não havia sido informado da decisão judicial. A gestão afirmou que o secretário de desenvolvimento regional Marco Vinholi (PSDB) tem dialogado com os prefeitos para o cumprimento do Plano SP, “que estabelece uma regra comum para as 645 cidades paulistas sobre a evolução da pandemia e ocupação hospitalar.”

Vinholi é próximo do prefeito de Barueri, Rubens Furlan (PSDB). O pai dele, Geraldo Vinholi, é secretário de suprimentos na gestão barueriense. Mesmo assim, Barueri foi a primeira a anunciar que não acataria a decisão. Na segunda-feira (10) publicou um decreto em que deixa como mantida as medidas anteriores.

VEJA TAMBÉM
Confira quantos casos de Covid-19 foram confirmados em cada cidade
Opinião: Plano de flexibilização ignora proximidade das cidades
Não leve o coronavírus para casa: veja como se proteger caso saia de casa

Em Carapicuíba, o prefeito Marcos Neves (PSDB) questionou os dados, mas disse que decretaria a volta para a fase laranja. Porém, afirma que o aumento no número de casos ocorreu porque a cidade está testando mais. A cidade chegou a 5.549 casos nesta terça-feira (11) e tinha 4.555 no dia 28 de julho. “O número de casos registrados aumentou porque estamos testando mais pessoas, diminuindo a subnotificação”.

Segundo o estado, a cidade apresentou um crescimento na evolução da pandemia e também no número de mortes, “o que levou a região para uma fase mais restritiva”.

Outras cidades como Itapevi também afirmaram que irão recorrer à Justiça contra as decisões do estado.

O Plano São Paulo é atualizado quinzenalmente, de acordo com dados colhidos nas semanas anteriores pelo próprio governo. O plano é dividido em cinco fases que vão do nível máximo de restrição de atividades não essenciais (vermelho) a etapas identificadas como controle (laranja), flexibilização (amarelo), abertura parcial (verde) e normal controlado (azul).

receba o melhor da mural no seu e-mail

Paulo Talarico

Editor-chefe e cofundador da Agência Mural, é formado em Jornalismo pela Universidade São Judas Tadeu e em História pela Universidade de São Paulo.

Lucas Veloso

Jornalista, cofundador e correspondente de Guaianases desde 2014.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.