APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Pode crer

Opinião: Por que políticos “pagam” de funkeiros em época eleitoral?

Correspondente aponta como o movimento funk e a "estética de quebrada" se tornaram atração de campanhas eleitorais e aponta apropriação cultural

Image

Por: Mateus Fernandes

Opinião

Publicado em 18.07.2022 | 13:41 | Alterado em 21.07.2022 | 15:03

Tempo de leitura: 3 min(s)

Quando criança me recordo de juntar dinheiro para comprar minha primeira Juliet da Oakley, aquelas réplicas que encontrávamos na feira de domingo em qualquer quebrada. Ao ouvir a melhor playlist de funk dos anos 2000, eu me via usando os tênis e os óculos, que eram citados nas letras. De certa forma, imaginar isso me deixava esperançoso, afinal era o sonho de cada moleque ter uma boa condição financeira.

Ainda moloque, compartilhei com minha mãe o anseio em ter a famosa “juju” – apelido dado nas músicas para os óculos da Oakley. Aquela minha felicidade em “portar o kit” se tornou uma preocupação ao ouvir as histórias que minha mãe contava. Os mesmos óculos estilosos, sob outra lupa, eram vistos de maneira marginalizada, e quase sempre um moleque sofria violência policial por usá-los.

Entre 2006 e 2011, foram tempos difíceis, e me recordo da crescente violência nas quebradas de São Paulo. Todos os moleques tinham medo de sair para a rua e virar mais uma estatística no alto índice de violência. Aquela mesma estética periférica que sonhávamos por meio da moda se tornava também um grande alvo para enquadros.

Uma década se passou e minha admiração pelo funk só se fortaleceu. Aquele moleque que sonhava em ter uma Juliet se formou na universidade utilizando uma. Ao usá-lo, me transmitiu muita emoção. Para alguns pode parecer simples, mas o sentimento de “portar a juju” atingiu a todos os favelados ali presentes. Nossas origens também devem ocupar estes espaços. Nunca será apenas moda.

Óculos que usei no dia da formatura @Mateus Fernandes/Agência Mural

Vish.. ano eleitoral!

No dia 16 de julho, fiz um post no Instagram sobre as formas de apropriação cultural utilizadas nas campanhas. A mensagem chegou para quase 35 mil pessoas, mas afinal, ver políticos de “Juliet” também te incomoda?

Não é novidade para ninguém que, em época de eleição, sempre rola aquela visita inusitada na favela. Para todo lado que observamos conseguimos ver cartazes com rostos desconhecidos, no qual fazem questão de colarem no portão ou parede da tua casa.

Desde pequeno, sempre tive a sensação de que o corpo favelado é apenas lembrado em ano eleitoral. Não era muito difícil de perceber: a cada quatro anos estávamos em evidência, as favelas sempre foram as atrações mais desejadas para o ganho de votos.

Com a popularização do funk em nível nacional, o gênero musical também foi apropriado nas campanhas entre os partidos políticos. Seja nos jingles – músicas tocadas repetidamente nos carros de som pelas quebradas – aos candidatos “posando de funkeiros” nas campanhas políticas como ferramenta de aproximação ao público jovem.

Fernando Haddad, Geraldo Alckmin e Márcio França utilizam Juliet em post da pré-campanha @Diego Zacarias/Divulgação

No último sábado (16), vi uma imagem na página do pré-candidato ao governo do estado Fernando Haddad (PT) em que ele, ao lado dos ex-governadores Geraldo Alckmin (PSB) e Márcio França (PSB), aparecem portando uma Juliet. E me questiono, será que eles sabem a importância disso?

Me incomodo em ver políticos usando nossos elementos, pois sei que milhares de moleques anos atrás não tiveram a mesma sorte.

Num cenário político em que se falou muito sobre o voto dos mais jovens (houve até campanhas para que adolescentes de 16 e 17 anos tirassem o título de eleitor), é comum que os candidatos aos mais diversos cargos da política estejam tentando se aproximar das juventudes.

Por um lado, a esquerda tem apostado nos óculos Juliet para chamar a atenção dos jovens periféricos – além do ex-prefeito e ex-governadores citados acima, a estratégia também já foi adotada pelo pré-candidato e ex-presidente Lula (PT).

Por outro, a direita também recorre a estratégias do gênero para conquistar o voto jovem. O presidente e também pré-candidato Jair Bolsonaro (PL), por exemplo, já flertou diversas vezes nas redes sociais com o público gamer e fãs de animes.

A promoção da imagem por meio de elementos de quebradas se tornou cada vez mais popular em diversos discursos ou cartazes. As formas de expressões entre os becos e vielas não podem estar à venda, como manobra ou estratégia política.

Nossa história periférica é carregada de símbolos e ancestralidade, e assim como qualquer outra cultura, deve ser respeitada. Parafraseando o mano Sabotage: por aqui tem que saber como chegar e sair.

Para além da moda, a estética de quebrada salvou a autoestima de muitos dos nossos. Por meio de uma vestimenta, há uma expressão de vida.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Mateus Fernandes

Favelado metido a palestrante, contrariando as estatísticas por aí! Graduando em Psicologia pela Universidade São Judas Tadeu. Coordenador do Cursinho Popular Cora Coralina. TEDx Speaker de GRU/SP. Apaixonado pelo rap e o funk. Correspondente de Guarulhos desde 2021.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.