APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Mariana Lima

Notícia

Publicado em 20.05.2022 | 17:30 | Alterado em 09.06.2022 | 15:56

Após 2h de produção, que inclui enchimentos e uma maquiagem trabalhada, Franklyn Araujo, 27, sai de cena para que Tia Franny, ou Franny Aroera Tibira, considerada a primeira drag queen de Parelheiros, distrito do extremo sul de São Paulo, finalmente apareça.

“O ‘Franny’ vem do meu nome de batismo, o Aroera é de uma árvore típica daqui e o Tibira é do primeiro indígena homossexual assassinado pela igreja [católica] no Brasil [no período da colonização]. É um nome político que fala quem eu sou, de onde venho e os meus ancestrais”, revela. Já o “tia” veio com o tempo, popularizado nos eventos culturais.

Franklyn com a coleção de perucas da Tia Franny @Mariana Lima/Agência Mural

Há nove anos, a maquiadora e produtora atua como drag queen em eventos e espaços culturais periféricos, sempre trazendo a região onde vive em destaque.

“Solto o grito ‘É de Parelheiros’ para as pessoas enxergarem que nós estamos aqui e fazemos arte de qualidade. É um grito manifesto”, conta, sobre o distrito que fica a 36 km do centro da capital.

O que começou nas aulas do programa vocacional de teatro e dança no CEU (Centro Educacionais Unificados) de Parelheiros, ainda na adolescência, se tornou o norte da vida de Franklyn.

Apesar de ter cultivado a personagem da Tia Franny durante o vocacional, ela só nasceu após Franklyn assistir a um show de drag queens. Ao ver artistas que misturavam o humor com a elegância da performance, entendeu o que queria fazer.

“Era uma época em que eu estava me descobrindo como pessoa, e como pessoa LGBT. Esse lado artístico me salvou de muita coisa. Sem ele, sem a Franny, acho que não teria sobrevivido”

“Comecei a estudar sobre o universo drag e o universo clown, que era comédia. A Franny é o meu eu interno, que sempre reprimi, junto com a minha arte. O Franklyn é mais contido, tímido, a Franny é doida”, diz.

Franklyn performando como drag queen @Mariana Lima/Agência Mural

Os rótulos que atrapalham

Por ter a veia do humor forte e trabalhar com o caricato, Franklyn precisa lidar com diversos rótulos que limitam oportunidades.

“Parece que colaram na minha testa ‘drag comediante’ e agora não posso fazer mais nada além disso. Mas posso entregar uma performance séria porque estudo, me preparo”, pontua.

Outros rótulos difíceis de contornar são de que a performance drag é uma arte isolada, que não dialoga com a dança e o teatro, e que só cabe nas pautas LGBTQIA+. Durante o mês do Orgulho, em junho, Franklyn chega a ter uma semana inteira de eventos, mas assim que o mês acaba as oportunidades também terminam.

“A minha arte não é só para o mês do Orgulho e não fala só sobre o orgulho LGBT. Ela fala, principalmente, sobre o orgulho de residir no extremo sul”

Hoje maquiadora e produtora, Franklyn começou a trabalhar aos 17 anos para se sustentar. Nessa caminhada, a necessidade de garantir a grana do mês já fez com que perdesse algumas oportunidades.

“Não é justo porque o trabalho sempre vai vir primeiro. E tem toda a questão de a arte não ser reconhecida como profissão, mas como um hobby. É uma coisa que está muito enraizada na periferia”, declara.

Reconhecimento na quebrada

Apesar da rede de apoio entre os artistas e coletivos independentes na região, Franklyn sabe que poucos moradores de Parelheiros conhecem seu trabalho. “A ‘Drag Queen de Parelheiros’ não é ninguém em Parelheiros, mas é alguém no Grajaú, o bairro vizinho”, desabafa.

A drag queen busca por recochecimento de sua arte na própria região em que mora @Mariana Lima/Agência Mural

Uma das explicações é que Parelheiros não tem uma cultura LGBTQIA+ consolidada. “Além disso, os eventos que temos por aqui são todos pra ‘família tradicional’. Você não vai ver uma drag apresentando o Colônia Fest, por exemplo”, argumenta, citando o evento de comemoração do aniversário do bairro Colônia.

Outro desafio é a concentração de oportunidades em regiões centrais, principalmente para ensaios e espaços de apresentação.

“Não seria legal se eu pudesse andar até a praça de Parelheiros e fazer um puta de um show lá e mostrar para as pessoas quem eu sou, onde moro, que estou aqui e eu faço arte?”, questiona.

Embora os questionamentos, o amor por Parelheiros está presente em toda a arte produzida por Franklyn, que tem Carolina Maria de Jesus (1914-1977), autora de “Quarto de Despejo” (1960) e famosa moradora do distrito, como referência. Com essa inspiração, Franklyn quer deixar um legado.

“Quero poder virar uma dessas senhoras mariconas [gíria para se referir a pessoas gays com mais idade] e ver as novas drags gritando ‘É de Parelheiros!‘. Deixar essa porta aberta e esse caminho trilhado para que outras drags e artistas LGBTs possam desenvolver seus trabalhos aqui.”

Mariana Lima

Jornalista e roteirista. Coautora do livro-reportagem "A Voz Delas: a literatura periférica paulistana". Pode ser vista com frequência em bibliotecas públicas. Correspondente de Parelheiros desde 2021.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.