APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Pietra Alcântara

Notícia

Publicado em 11.03.2022 | 15:36 | Alterado em 14.03.2022 | 14:33

Tempo de leitura: 3 min(s)

O tempo passou, a pandemia não acabou, mas cá estamos nós com uma programação cheia de dicas presenciais. Mesmo assim, toda semana reforçamos aqui no Rolê na Quebrada a importância dos cuidados e protocolos de segurança, além da vacinação.

Agora, no estado de São Paulo, o uso de máscaras não é mais obrigatório ao ar livre. Mas recomendamos levar a máscara pois, nos ambientes fechados, é preciso usá-la.

As dicas de eventos incluem o lançamento do livro “Pangeia”, que aborda a ancestralidade das mulheres latino-americanas e africanas. Além disso, tem show do mês do hip hop, com vários artistas das periferias da capital em destaque. Bora?

Dança

A partir da próxima quarta-feira (16), a Fábrica de Cultura Jardim São Luís também recebe o espetáculo de dança “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas”. Neste espetáculo, a Cia. Sansacroma apresenta “uma disputa de imaginários onde corpos negros se alto reconstroem e são sementes, são vias de sobrevidas constantes, afirmando uma desobediência civil e colonial”.

A direção artística do espetáculo é de Gal Martins, que utiliza como base as reflexões do filósofo camaronês Achille Mbembe para abordar o genocídio da juventude negra no Brasil.

Espetáculo inspirado nas reflexões do filósofo camaronês Achille Mbembe @Lua Santana

As apresentações são nos dias 16, 17, 18 e 19 de março, às 19h, e são gratuitas. Não é preciso se inscrever para a entrada, mas recomenda-se a chegada com antecedência no local.

Vala: Corpos Negros e Sobrevidas

Dia e horário: 16, 17, 18 e 19/3 às 19h

Local : Fábrica de Cultura Jardim São Luís

Endereço: Rua Antônio Ramos Rosa, 651 – Parque Santo Antônio – São Paulo

Preço: Entrada gratuita

Domingo na praça

Em homenagem ao mês da mulher, o projeto “Peritrônica: Periferia Eletrônica – Música sem Fronteiras” celebra a data com muita arte e música em um evento em Pirituba, na zona noroeste da cidade.

A programação é gratuita, das 10h às 21h na Praça Monsenhor Escrivá (Praça do Skate), no domingo (20). A proposta do evento é dar mais visibilidade aos artistas locais e enaltecer a economia criativa da região.

Projeto Peritrônica acontece desde 2015 de forma itinerante @Divulgacão/Instagram

Entre as atividades programadas estão shows, grafite, DJs, desfile plus size, exposição de fotos por Sabine Cazaline, artesãos locais e food trucks, além da presença da assistente social Eliane Cléa que estará disponível para conversar com o público sobre violência doméstica.

Os participantes da festa ainda concorrerão a prêmios. As obras produzidas pela artista LadyBrown serão sorteadas durante o evento.

Projeto Peritrônica: Mulheres

Dia e horário: 20/3 das 10h às 21h

Local: Praça Monsenhor Escrivá (conhecido como a praça do Skate) – Pirituba – São Paulo

Preço: Gratuito

Show gratuito

O pocket show de Filhas de Elza apresenta a dupla de musicistas composta pela baterista e percussionista Pitee Batelares e pela cantora e compositora Flávia Pantaleão. O rolê será na Fábrica de Cultura Jardim São Luís, na zona sul.

Filhas de Elza

Filhas de Elza com show grátis na zona sul @Divulgacão/Instagram

O repertório vem cheio de canções autorais das artistas, ambas mulheres LGBTQIA+, periféricas e sobreviventes da música. O evento tem público limite de 40 pessoas.

Pocket show Filhas de Elza

Dia e horário: 11/3 às 19h30

Local: Fábrica de Cultura Jardim São Luís

Endereço: Rua Antônio Ramos Rosa, 651 – Parque Santo Antônio – São Paulo

Preço: Gratuito

Ancestralidade em livro

Já no sábado (12), vai rolar o lançamento do livro “Pangeia – Entre Elos – Palavra de Mulher”, no espaço cultural Bloco do Beco, que fica no Jardim Ibirapuera, extremo sul de São Paulo.

O livro reúne relatos históricos, poesias e fotografias que abordam a ancestralidade africana, indígena e a cultura do bordado. O projeto é resultado do trabalho da coletiva Tear & Poesia de Arte Têxtil – Preta Nativa.

Composta por mulheres que atuam e residem há quase 20 anos na região sul da cidade, o grupo atua com foco em dialogar com a mulheres imigrantes africanas, latino-americanas e caribenhas.

Atividade de bordado na aldeia Tekoa Tape Miri, realizada em 2019, em São Paulo @Divulgacão

A ideia é expor semelhanças entre grafismos nativos brasileiros, indígenas e africanos. Segundo Rita Maria, produtora cultural e co-fundadora da Tear & Poesia, a pesquisa feita para a publicação aborda a memória, ancestralidade e tradições dos povos africanos e indígenas nas Américas e suas ramificações nas periferias brasileiras.

“O bordado tem origem profunda na África e era feito inclusive por homens, e a gente nota essa característica na produção dos bordados. Temos exemplos como em Pernambuco com os maracatus; no Maranhão com a cultura do boi, em que os participantes têm suas vestes tecidas e bordadas fantasticamente, e os povos indígenas nativos de Abya Yala na América”, conta.

Lançamento “Pangeia”

Dia e horário: 12/3 das 10h às 14h

Local : Espaço Cultural Bloco do Beco

Endereço: Rua Bento Barroso Pereira, 2 – Jardim Ibirapuera – São Paulo

Preço: Entrada gratuita

Só showzão

Assim como a dica da semana passada, as atrações do mês do hip hop continuam na cidade de São Paulo. No domingo (13), a Praça das Artes, no centro, recebe artistas como o rapper Coruja BC1, de Osasco, da rapper Bivolt, cria da Favela do Boqueirão, na zona sul, Black Alien, entre outros. Confira a programação no site do evento.

Coruja BC! faz show gratuito na Praça das Artes @Pedro Sanaa/Divulgação

Shows mês do hip hop

Dia e horário: 13/3 a partir das 14h

Local: Praça das Artes

Endereço: Avenida São João, 281 – centro histórico de São Paulo

Preço: Gratuito

receba o melhor da mural no seu e-mail

Pietra Alcântara

Formada em Jornalismo e quase pós graduada em Styling e Direção de Arte. Amante de brechós e moda 0800. Social media que não faz dancinhas (mas se pedir com jeitinho, faz), gosta de gravar stories loucos e assistir vídeos no YouTube. Correspondente da Vila Medeiros desde 2019.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.