APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

DOE MENSALMENTE PELO CATARSE

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Rolê

Esporte da primeira medalha do Brasil, skate já foi febre em Pirituba

Sede de campeonato nos anos 1990, bairro da zona norte da cidade volta a formar talentos do skate

Image

Por: Lara Deus

Notícia

Publicado em 23.06.2021 | 17:46 | Alterado em 22.11.2021 | 15:42

Tempo de leitura: 5 min(s)

Desde que chegou ao Brasil, nos anos 1960, o skate mudou de significado algumas vezes. Essa tábua com quatro rodinhas já foi vista como uma atividade marginalizada, um mero meio de locomoção, um estilo de vida e hoje é reconhecida como um esporte olímpico. 

A modalidade trouxe a primeira medalha para o Brasil nos Jogos Olímpicos de Toquio, com a prata de Kelvin Hoefler. No domingo (25, foi a vez de Rayssa, 13, levar a mesma medalha. O destaque marca uma competição que já foi febre em bairros da periferia de São Paulo e inspira uma nova geração. .

Na praça Vista Verde, em Pirituba, na zona norte, Henrique Bertani, 10, começou a praticar as manobras quando tinha apenas 5 anos. Em maio, representou o bairro e ficou em segundo lugar no Circuito Futuro da Nação, competição que reúne crianças de toda a cidade. 

“Quando ele começou, não conseguia nem carregar o skate. O pessoal [do Coletivo Vista Verde] sempre buscou incentivar e ele começou a andar cada vez mais”, conta Meryellen Bertani, mãe do menino. 

O garoto ganhou uma motivação extra este ano. Os Jogos Olímpicos de Tóquio serão os primeiros em que o skate é uma modalidade oficial, o que incentivou o menino. “É importante para as crianças, elas podem se imaginar lá”, diz Henrique, que sonha em chegar à competição internacional. 

Image

Henrique, 10, mora em Pirituba e é um dos skatistas do bairro @Lara Deus/Agência Mural

Em Tóquio, a maranhense Rayssa Leal, de apenas 11 anos, é a aposta do Brasil nesse esporte. Seguindo os passos da atleta olímpica, Nay Tavares, 7, também treina no espaço e diz ter o sonho de ver onde começou a cultura da modalidade nos Estados Unidos. “[Quero] ir para a Califórnia e ficar famosa com o skate.”

Henrique e Nay vivem uma realidade diferente das primeiras gerações de skatistas de São Paulo, que viveram na pele a marginalização da atividade. 

Em junho de 1988, o então prefeito Jânio Quadros (1917-1992) proibiu o esporte em toda a cidade. O decreto só foi revogado quando Luiza Erundina assumiu, cinco meses depois.

Foi também nesse período que Pirituba se tornou um dos principais espaços do esporte na capital. 

Em 1992, o skatista e empresário Rogério Antigo, 58, morador da Freguesia do Ó, na zona norte, buscava abrir a segunda filial de sua loja Brand-X. “Não tinha valor financeiro suficiente para poder entrar num shopping grande, aí eu escolhi o de Pirituba”, relembra. 

Image

Folheto sobre Campeonato de Skate em Pirituba @Arquivo Pessoal

Na época, as skateshops, como são chamadas as lojas do segmento, tinham um papel ainda mais importante para reunir os praticantes de uma região, já que a internet era tímida e poucos tinham acesso. 

Rogério também era presidente da UBS (União Brasileira de Skate), e realizou no bairro quatro edições do Campeonato de Skate de Pirituba, feito anualmente de 1992 a 1995. 

Além da Brand-X, outras empresas que faziam tênis e shapes (parte de madeira do skate) embarcaram na concretização do evento. 

Para conquistar a façanha, os organizadores tinham à disposição o estacionamento do Shopping Center Pirituba durante o domingo. Lá, montavam uma pista móvel feita com estruturas de ferro. A competição chegou a ter 150 participantes em um só dia. 

Image

Pirituba tem tradição no skate @Lara Deus/Agência Mural

O primeiro Campeonato de Skate de Pirituba, em 1992, também foi a estreia em competições de Marcelo Toscano, 45, skatista que hoje viaja o Brasil para disputar a modalidade. 

“Participei desse campeonato nervoso. Foi difícil chegar, porque não existia Bilhete Único, integração, metrô, trem como é agora”, relembra ele, que na época morava na Santa Cecília, na região central.

“Foi um evento importante para a cidade e para o skate em geral, porque veio gente de muito longe, e encheu. Também colocou em evidência os skatistas da região, de Pirituba, Perus”, completa.

PISTA FECHADA

Apesar dessa tradição, o principal espaço pensado para a modalidade no bairro está fechado há mais de 10 anos. 

Em 2002, o coração do distrito havia ganhado uma pista de skate, no parque Jacintho Alberto, próximo ao terminal de ônibus. Mas o equipamento tinha falhas na construção, fechou para reformas em 2009 e nunca mais foi reinaugurado. 

Segundo a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, os problemas estavam relacionados a sua construção, em vários trechos. Os skatistas apontam o material frágil com que foi construída e o ângulo das rampas. 

Buscando uma solução para o local, os skatistas do bairro fizeram orçamentos para uma pista adequada e apresentaram ao Conselho Gestor do parque em 2016. 

< >

Nay também vê a Olímpiada como inspiração para seguir no esporte @Arquivo Pessoal

Pista na praça Vista Verde, em Pirituba @Lara Deus/Agência Mural

"O skate é muito mais do que um esporte, é um estilo de vida. Então, vá andar e divirta-se. Seja você, dessa forma, a sua evolução virá quase que naturalmente", diz Marcelo Toscano @Lara Deus/Agência Mural

"Competição é legal para caramba, e traz muito ensinamentos, amigos e autoconhecimento das limitações e de como a gente pode transpor os obstáculos", afirma Rogério Antigo @Lara Deus/Agência Mural

"O coletivo foi uma arma que a gente usou para conseguir a pista de skate aqui no Vista Verde", diz Cabelo @Lara Deus/Agência Mural

Henrique treinando em Pirituba @Lara Deus/Agência Mural

A necessidade de um novo espaço de skate no local até foi incluída no Plano Diretor de 2019, mas não colocada em prática. 

Ainda em 2019, a área de 40 mil metros quadrados foi concedida à Urbia Parques, vencedora da licitação que privatizou o local, na gestão do prefeito João Doria (PSDB). 

De acordo com a prefeitura, a empresa ainda está no processo de assumir a gestão dos parques. “Assim que a aprovação do Jacintho Alberto ocorrer, as manutenções necessárias, incluindo a pista de skate, poderão ser executadas”. A Urbia Parques foi procurada mas não respondeu à nossa reportagem.

VEJA TAMBÉM:
Pirituba mantém construções do século passado que ajudam a contar história do bairro
Para pagar conas, moradores mudam de ramo e abrem novos negócios

PISTA DO VISTA VERDE

Em 2013, skatistas da região se reuniram e criaram o Coletivo Skate Vista Verde, e lutaram por um espaço de prática do esporte na praça de mesmo nome. 

“Começamos a fazer campeonatos e ações sociais, como aulas e oficinas, para justamente organizar e fomentar a cena do skate no bairro”, conta Gustavo Teixeira, o Cabelo, integrante do coletivo. 

Dois anos depois, em dezembro de 2015, foram inauguradas as duas pistas de skate da Praça Vista Verde. O grupo conseguiu o apoio de uma emenda proposta pelo vereador Eliseu Gabriel. 

Segundo a Subprefeitura de Pirituba/Jaraguá, a zeladoria na área é feita a cada 90 dias. Por isso, a rotina de limpeza e cuidados fica com os próprios membros do coletivo. “A gente toma conta, pinta, colocamos borrachas para o skate não ‘zoar’”, enumera Cabelo. 

‘No skate não existe rivalidade. No campeonato, todo mundo torce pra todo mundo acertar suas manobras e se dar bem. Quem julga é o juiz’ – Marcelo Toscano

Depois de conquistar o equipamento público, os membros do coletivo investiram em montar a 600 metros dali a Catiorro Skateshop, primeira loja do segmento em Pirituba desde que a pioneira Brand-X fechou em 1996. Inaugurada em 2020, também é o local onde Cabelo dá aulas da modalidade.

“Uma loja de skate é muito importante para a cena, porque funciona como se fosse uma igreja. Ela reúne, fornece suprimentos. A gente não precisa mais se deslocar para outros bairros. Cresci tendo que ir pra Galeria do Rock, para o centro, comprar peças. Agora, já não precisa mais”, detalha Cabelo.

Lara Deus

Jornalista, apaixonada por rap nacional, literatura periférica e toda cultura que é produzida por aqui. Correspondente de Pirituba desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.