APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Cleberson Santos | Gabriela Carvalho

Notícia

Publicado em 24.01.2023 | 11:40 | Alterado em 27.01.2023 | 11:41

Tempo de leitura: 4 min(s)

Na cidade de São Paulo é possível conseguir atendimento psicológico ou psiquiátrico gratuito pelo SUS (Sistema Único de Saúde), sejam em UBSs (Unidades Básicas de Saúde), unidades do AMA (Assistência Médica Ambulatorial), CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) ou CECCOs (Centros de Convivência e Cooperativa).

Porém, apesar das diferentes possibilidades, ser de fato atendido por profissionais no ramo da saúde mental não é uma tarefa fácil.

Em novembro de 2022, a Agência Mural publicou uma reportagem visual (web story) em que explicava como ser atendido por esses serviços. Após a publicação, um leitor do Jaguaré, na zona oeste da capital, entrou em contato via e-mail relatando os obstáculos que enfrentava para ser atendido no distrito onde mora.

O paciente, que informou fazer tratamento com medicações, buscava acompanhamento psicológico e psiquiátrico, e precisava de uma nova receita médica. Ao procurar a UBS/AMA Integrada Vila Nova Jaguaré, foi orientado a ir a um CAPS, já que na unidade não havia profissionais da psiquiatria.

Ele se dirigiu ao CAPS Vila Leopoldina, também na zona oeste, onde não foi atendido. O serviço do local é destinado a dependentes químicos. Por fim, foi ao CAPS Lapa, na mesma região. Lá ele foi acolhido pela enfermagem, mas não conseguiu o atendimento que precisava para renovar a receita dos medicamentos.

O CAPS Vila Leopoldina oferece atendimento psiquiátrico a dependentes químicos @Gabriela Carvalho/Agência Mural

“Ela [a enfermeira] disse que minha situação se resolveria com meros exercícios físicos. Após muita insistência minha, ela me emitiu um guia de encaminhamento de volta à UBS [Vila Nova Jaguaré, a mesma que ele procurou atendimento] que não tem mais profissionais especialistas de saúde mental”, relatou.

Como ele não atendeu aos contatos da reportagem após a denúncia, optamos por não publicar seu nome.

COMO FUNCIONA

A UBS é a “porta de entrada” para qualquer atendimento especializado na rede municipal de saúde. De lá, seja por meio do médico da família ou do psicólogo, é possível conseguir encaminhamento para os CAPS (no caso da psiquiatria), para unidades do AMA Especialidades (que é diferente do AMA que presta serviço de pronto-socorro) ou para os Hospitais Dia.

Já nas chamadas “UBS/AMA Integrada”, como é o caso da Vila Nova Jaguaré, há o atendimento de médicos especialistas e pode acontecer de receber pacientes de outros bairros.

A psicóloga Veridiana Fernandes de Sá, que atua no CAPS Álcool e Drogas III, do Jardim São Luís, na zona sul, explica que os Centros de Atenção Psicossocial têm “portas abertas” e que não é preciso necessariamente ter encaminhamento para ser acolhido.

No entanto, alguns atendimentos podem não se enquadrar nas demandas do CAPS. “Uma depressão não grave ou um caso de ansiedade não grave devem ser tratados na UBS”, diz.

“Quando o caso é mais grave e persistente, o usuário é direcionado ao Centro de Atenção Psicossocial, que têm diferentes modalidades [atendimento a todas as faixas etárias, a crianças e adolescentes, ou especializado em transtornos pelo uso de álcool e outras drogas]”.

Atendimentos em números

De acordo com dados publicados na plataforma DataSUS, da Prefeitura de São Paulo, o distrito do Jaguaré não teve nenhum atendimento com psiquiatra no mês de agosto de 2022. A situação se repetiu em outubro e novembro. O site ainda não disponibilizou os dados a respeito do mês de dezembro.

A UBS/AMA Vila Nova Jaguaré é o único estabelecimento de saúde do distrito, que tem cerca de 49 mil habitantes. Apenas 72 unidades da capital seguem esse modelo integrado, que existe desde 2013.

A falta de atendimento psiquiátrico, contudo, não é uma exclusividade da região. Ainda de acordo com o DataSUS, outros 12 distritos (dos 96 em toda a cidade) tiveram ao menos um mês sem atendimento com um profissional em psiquiatria.

Em novembro, data da última atualização do site, eram cinco os distritos zerados. Além do Jaguaré, havia também a Vila Leopoldina (para onde o leitor havia sido encaminhado), o Brás, na região central, o Tucuruvi, na zona norte, e Marsilac, na zona sul.

Nos casos de Marsilac e do Brás, não foram registrados atendimentos com psiquiatra em nenhum mês de 2022.

O distrito do extremo sul conta com apenas duas UBSs e os atendimentos de saúde mental ocorrem nas duas unidades do CAPS de Parelheiros, região vizinha. Uma é direcionada aos pacientes infanto-juvenis e outra para adultos.

Já o Brás tem somente uma UBS, a Dr. Manoel Saldiva Neto. O CAPS mais próximo para os moradores é a unidade da Mooca, na zona leste.

Dificuldade de contratações

Entre os 13 distritos que ficaram sem atendimento psiquiátrico em 2022, também chama a atenção o Artur Alvim, na zona leste, que foi registrar algum atendimento apenas no mês de outubro, após mais de um ano de registros zerados.

Maria Aparecida Rodrigues Pereira, 44, é farmacêutica e moradora da Cohab I, que faz parte do distrito. Ela acompanha o irmão, Antonio Marcos Rodrigues, que recebe atendimento psiquiátrico na AMA/UBS Integrada Padre Manoel da Nóbrega.

AMA/UBS Integrada Padre Manoel da Nóbrega está sem atendimento com médico psiquiatra @Gabriela Carvalho/Agência Mural

Rodrigues frequenta o posto de saúde há quatro anos. Maria conta, porém, que houve falta de profissional da psiquiatria por quase dois anos. “Lá é uma unidade de referência, mas eles têm dificuldades na contratação de especialistas para essa área”, opina.

Ela comenta que o irmão passava com um médico, mas que, depois que o profissional saiu da UBS foi preciso passar no clínico geral para renovar as receitas da medicação usada.

“Agora é a segunda vez que conseguimos consulta com o novo médico. Mas é bem difícil conseguir um atendimento psiquiátrico, porque os médicos não ficam muito tempo, acabam saindo de lá”, relata.

O que diz a prefeitura

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a UBS/AMA Vila Nova Jaguaré realizou 74 mil atendimentos do início do ano até o último mês de novembro, entre todas as especialidades oferecidas. Entretanto, os moradores que procuram assistência psiquiátrica precisam se deslocar para outros bairros.

Procurada, a Coordenadoria Regional de Saúde sugeriu que, por enquanto, pacientes da psiquiatria procurem assistência na UBS Alto de Pinheiros (na Vila Leopoldina), na UBS Vila Anastácio (na Lapa) ou na UBS Jardim Vera Cruz (em Perdizes) – que ficam, respectivamente, a 4,7 km, 9,9 km e 9,7 km de distância do endereço no Jaguaré.

A Coordenadoria também informou que a OSS (Organização Social de Saúde) responsável está à procura de profissionais para preencher as vagas abertas.

Sobre a AMA/UBS Padre Manoel da Nóbrega, a pasta diz que foram realizados 340 atendimentos na especialidade de psiquiatria no último trimestre de 2022. A unidade, que atualmente dispõe de médico psiquiatra, tem 280 pacientes em acompanhamento.

Esta reportagem foi produzida com apoio da Report For The World

receba o melhor da mural no seu e-mail

Cleberson Santos

Correspondente do Capão Redondo desde 2019. Do jornalismo esportivo, apesar de não saber chutar uma bola. Ama playlists aleatórias e tenta ser nerd, apesar das visitas aos streamings e livros estarem cada vez mais raras. Em novembro de 2022, passou a fazer parte da Report For The World, programa desenvolvido pela The GroundTruth Project.

Gabriela Carvalho

Jornalista, feminista e iludida. Mestra em Mídia e Tecnologia e pós-graduada em Processos Didático-Pedagógico para Cursos na Modalidade a Distância. Apresenta o podcast Próxima Parada, da Agência Mural, e é correspondente do Jardim Marília desde 2019. Produziu o documentário "A Favela Inspira" e é cofundadora do Acolhe+, projeto que oferece amparo à comunidade LGBTI+. Também é cantora de chuveiro, adora audiovisual e é louca por viagens.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.

Nenhum campo encontrado.