APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias
Rolê

Souto MC: a cria de Itaquaquecetuba que tem ganhado projeção no rap nacional

No terceiro episódio da série 'Crias', a rapper fala sobre início da carreira, machismo no hip hop e a relação com a periferia de Itaquá

Image

Por: Jessica Bernardo

Notícia

Publicado em 08.11.2022 | 15:38 | Alterado em 15.11.2022 | 7:29

Tempo de leitura: 2 min(s)

A cantora Souto MC ainda era criança quando ouviu as batidas de Oitavo Anjo, rap do grupo 509-E, pela primeira vez. Quando o grave ressoou dentro do carro, o encanto foi imediato e a menina quis “entrar na música”. “Eu ficava: ‘não mano, eu quero fazer isso! Quero entrar dentro desse negócio e ser isso’”, lembra a artista.

O contato com o hip hop começou através das primas em Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo. A cidade onde Souto morou na infância com a família da tia tinha poucas opções de lazer, mas os “showmícios” faziam sucesso entre os moradores.

Foi ali que a cantora assistiu pela vez um show de rap ao lado das primas. Hoje com 28 anos, Souto passou da plateia para o palco e faz parte da nova geração de artistas do segmento.

“O rap vai desde a roupa que eu visto até pagar as minhas contas. E essa vivência com o rap foi muito antes de virar uma profissão mesmo. Era o que era parecido com o meu bairro, era o que eu via na rua quando eu estava brincando. Por isso que rolou tanto essa identificação”, explica Souto.

Colecionando parcerias com nomes como Drik Barbosa, Emicida e Sara Donato, a artista que se considera cria de Itaquá é a terceira entrevistada da série “Crias” da Agência Mural.

No episódio, Souto conta das angústias de ser uma artista independente e fala sobre a importância da sororidade dentro do hip hop. Considerada pela Genius Brasil em 2018 como artista revelação, a cantora diz que sonha em construir uma gravadora que atue só para mulheres e fala que a periferia de Itaquaquecetuba é parte fundamental de quem ela é.

“O que forma o rap é a perifa. Então, no fim das contas, o rap – e Itaquá – foi o que me formou num todo. Me ensinou e me mostrou como eu queria ou não ser, como eu queria ou não ter trato com as pessoas e como eu deixaria as pessoas terem trato comigo. É a base de tudo mesmo. Tudo o que eu sou, o que eu aprendi e o que eu vou levar pro resto da minha vida está aqui em Itaquá”.

Crias

Toda terça-feira, no canal do YouTube da Agência Mural e no Instagram, você conhece um criador das quebradas de São Paulo.

A série de vídeos “Crias” foi realizada com os recursos do programa “Digital Video Masterclass Series”, promovido pela Meta em parceria com o ICFJ (International Center of Journalists). A Agência Mural foi uma das 15 selecionadas no programa, ao lado de redações como Nonada Jornalismo, SBT e Nexo Jornal.

Ao longo de dois meses, os jornalistas da Agência Mural Jessica Bernardo, Ingrid Fernandes, Pietra Alcântara e Rômulo Cabrera participaram de uma mentoria com Fred Bottrel, chefe de reportagens especiais na TV Globo em Belo Horizonte, para idealizar a construção da série.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Jessica Bernardo

Jornalista, cria de uma família de cearenses. Apaixonada por São Paulo, bolos e banhos de mar. Correspondente do Grajaú desde 2017.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.