APOIE A AGÊNCIA MURAL

Colabore com o nosso jornalismo independente feito pelas e para as periferias.

OU

MANDE UM PIX qrcode

Escaneie o qr code ou use a Chave pix:

30.200.721/0001-06

Agência de Jornalismo das periferias

Por: Kátia Flora

Notícia

Publicado em 08.12.2022 | 14:17 | Alterado em 20.12.2022 | 10:59

Tempo de leitura: 3 min(s)

Ribeirão Pires, no ABC Paulista, conta com uma eleição municipal fora de época. Neste domingo (11), os moradores voltam às urnas para eleger um novo prefeito, que ficará por dois anos no mandato.

Isso porque o ex-prefeito Clóvis Volpi (PL) teve o mandato cassado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), em setembro deste ano. O processo tramitava desde outubro do ano passado, por conta da reprovação das contas pelo TCE (Tribunal de Contas do Estado) sobre o ano de 2012, época em que Volpi cumpria o segundo mandato reprovou as contas de 2012. O TCE entendeu que houve déficit orçamentário administrativo.

O então presidente da Câmara, Guto Volpi, filho de Clóvis, assumiu a prefeitura como interino. Nesta eleição suplementar, ele está como candidato a prefeito pelo mesmo partido do pai.

Candidato Guto Volpi (PL) está como prefeito interino @Divulgacão

Além de Guto Volpi (PL), estão na disputa Gabriel Roncon (Cidadania), Amigão D’Orto (PSB), Carlos Sacomani (PMB) e José Carlos Agnello (MDB). A Agência Mural entrou em contato com os principais candidatos, que comentaram sobre suas propostas de campanha.

Guto Volpi (PL)

A assessoria do candidato afirma que, se eleito, a prioridade será garantir cerca de R$ 150 milhões em investimentos e seguir com as obras em andamento, como o Hospital Santa Luzia, a UBS (Unidade Básica de Saúde) do Parque Aliança, a revitalização de dois mirantes e da Vila do Doce, além do programa de pavimentação “Asfalto Novo”, que contempla 80 ruas em 20 bairros.

Gabriel Roncon (Cidadania) está com a candidatura indeferida @Divulgacão

Gabriel Roncon (Cidadania)

Se eleito, o candidato diz que pretende “colocar a cidade em ordem, acabar com a taxa do lixo, manutenção da iluminação pública, aumentar o horário de funcionamento das UBSs e finalizar o Hospital Santa Luzia”.

No entanto, Gabriel Roncon está com a candidatura indeferida, chegou a recorrer, mas o TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) negou o recurso. O ex-vice-prefeito (na antiga gestão de Kiko) segue com o registro impugnado.

O Amigão D’orto, que era vice de Clóvis Volpi, foi procurado e não retornou o contato até a publicação desta reportagem.

O que os moradores esperam do novo prefeito

Considerada estância turística da região, com mais de 113 mil habitantes, a população de Ribeirão Pires pede mais subsídios para atrair os turistas. Segundo moradores, não há investimentos no turismo local.

Capela de Santo Ântonio, ponto turístico do município @Paulo Talarico/Agência Mural

A professora Valéria Torroglosa Vaz, 51, que atua no do ensino fundamental, diz que o município precisa de mudanças radicais. Ela mora no bairro Barro Branco desde a infância e foi idealizadora do Festival do Chocolate – evento que acontece entre julho e agosto, e reúne milhares de pessoas.

A moradora destaca ainda a falta infraestrutura, como asfalto nas ruas, além de falta de remédios nos postos de saúde, banheiros comunitários e incentivo nos projetos culturais.

“A cidade virou dormitório, e a prefeitura está desperdiçando a verba que recebe para o turismo. O novo prefeito precisa dar continuidade nos projetos bons e cumprir com as promessas”

Valéria Torroglosa Vaz, 51, professora

A aposentada Marta Janete, 66, moradora da Vila Sueli, levanta a questão de que há pouca campanha e não se sabe quem são os candidatos, muito menos as propostas.

“Os candidatos para presidente só brigavam na TV e não mostravam projetos para o povo. Aqui estão fazendo a mesma coisa, pouca campanha, não ouço carro de som nem entregam jornal, sinto que terá abstenção de votos”, relata.

Entre as demandas necessárias, Marta diz que é preciso aumentar a frota de ônibus nos bairros. O neto dela faz cursos e chega a ficar quase uma hora esperando o transporte público. Além disso, tem a taxa do lixo que vem na conta de água, um valor que compromete a renda da família.

“Quem assumir a prefeitura deve ter o compromisso de avaliar essa taxa cobrada na conta dos moradores e olhar para a saúde da nossa cidade. Prometeram um hospital e não terminaram”

Marta Janete, 66, aposentada

Já a falta de saneamento básico é um problema enfrentado pelo metalúrgico Claudio Cascardi, 58, que mora no São Caetaninho há sete anos. De acordo com ele, as ruas do bairro não têm rede de esgoto e os projetos de melhoria não são executados.

O metalúrgico espera que o novo prefeito continue com as obras em andamento e priorize os bairros distantes do centro.

Família no poder

O cenário de sucessão de familiares na política de Ribeirão Pires também traz um desconforto para os moradores.

Para Valéria, essa eleição haverá influência familiar. “Os candidatos que disputam a prefeitura são poucos conhecidos dos eleitores, não temos opções boas, precisamos de um prefeito efetivo”, desabafa.

“A população está cansada dos políticos, falam e não fazem nada. Aqui a disputa é pelas famílias influentes. Acredito que esse envolvimento de familiares na política possa beneficiar um candidato”, comenta Claudio.

receba o melhor da mural no seu e-mail

Kátia Flora

Jornalista. Gosta de cinema, viagens e animais. Correspondente de São Bernardo do Campo desde 2014.

Republique

A Agência Mural de Jornalismo das Periferias, uma organização sem fins lucrativos, tem como missão reduzir as lacunas de informação sobre as periferias da Grande São Paulo. Portanto queremos que nossas reportagens alcancem outras e novas audiências.

Se você quer saber como republicar nosso conteúdo, seja ele texto, foto, arte, vídeo, áudio, no seu meio, escreva pra gente.

Envie uma mensagem para [email protected]

Reportar erro

Quer informar a nossa redação sobre algum erro nesta matéria? Preencha o formulário abaixo.

Nenhum campo encontrado.